Notícias de Actualidade
Mensagem do Embaixador
Informação da Embaixada
Relações Sino-Africanas
Fórum para Cooperação China-África
Relações Sino-Angolanas
Secção Económica e Comercial da Embaixada
Serviço Consular
Visto para a China
Certificado Notarial/Legalização
A China ABC
A China ABC
·Embaixador chinês Cui Aimin publica artigo no Jornal O PAÍS(2018-06-29)
·Angop: China doa material didáctico para combate ao analfabetismo(2018-04-21)
·Xi diz que mentalidade de guerra fria e soma zero está fora de propósito(2018-04-09)
·Xi diz que a China continuará a apoiar livre comércio(2018-04-09)
·Globalização corresponde aos interesses comuns de todos os países, diz Xi(2018-04-09)
·Presidente chinês sublinha necessidade de melhorar governança global durante reunião com chefe da ONU(2018-04-09)
·Presidente chinês elogia 40 anos de reforma e abertura(2018-04-09)
·China e Camarões concordam em promover relações bilaterais(2018-03-23)
·China adverte EUA que não ponham em risco laços bilaterais de comércio(2018-03-23)
·Funcionários de alto escalão de PCC reportam trabalho ao Comitê Central do PCC e Xi(2018-03-22)
·China pede esforços para garantir realização das metas estabelecidas no relatório de trabalho do governo(2018-03-22)
·China se abrirá mais ao mundo, diz premiê chinês(2018-03-20)
·Órgão legislativo nacional da China encerra sessão anual(2018-03-20)
·Desenvolvimento da China não constitui ameaça a outros, diz Xi(2018-03-20)
·Xi enfatiza liderança abrangente do PCC(2018-03-20)
©2009 Embaixada da República Popular da China Todos os Direitos Reservados
Notícias de Actualidade
Mensagem do Embaixador
Informação da Embaixada
Relações Sino-Africanas
Fórum para Cooperação China-África
Relações Sino-Angolanas
Secção Económica e Comercial da Embaixada
Serviço Consular
Visto para a China
Certificado Notarial/Legalização
A China ABC
A China ABC
Embaixador chinês Cui Aimin publica artigo no Jornal O PAÍS
2018/06/29

Em 28 de Junho de 2018, o Jornal O PAÍS publica artigo escrito por Embaixador Cui Aimin, titulado "Aprofundar o Mecanismo do Fórum de Macau e Promover a Cooperação de Benefício Mútuo entre a China e os Países de Língua Portuguesa". O texto inteiro segue-se em seguinte:

Este ano celebra-se o 15º. aniversário do estabelecimento do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum de Macau). O desenvolvimento do Fórum de Macau vem acompanhando o processo da reforma e abertura da China, atendendo às aspirações históricas do povo chinês e dos PLP relativas ao desenvolvimento e cooperação e conseguiu promover a cooperação entre a China e os PLP em diferentes domínios.

Nos 15 anos, o Fórum de Macau tem alcançado grandes avanços sob o esforço conjunto de todos os países participantes. A cooperação económica e comercial entre a China e os PLP tem aguentado a crise financeira internacional, a oscilação dos preços dos commodities, e aprofundou-se nas áreas de comércio e investimento. As trocas comerciais entre a China e os PLP aumentaram 11 vezes e o investimento directo da China nos PLP crescem 120 vezes, comparados com o início da criação do Fórum de Macau. O leque de cooperação no quadro do Fórum de Macau continuou a expandir-se, de 7 diferentes setores em 2003 para cerca de 20. A construção instituicional do Fórum de Macau tem-se aperfeiçoado e a sua influência tem-se ampliado. No ano passado, com a entrada oficial de São Tomé e Príncipe no Fórum de Macau, o Fórum passou a cobrir pela primeira vez todos os países que têm como a língua oficial o português.

Nos 15 anos, a China vem cumprindo seus compromissos, com implementação efectiva das medidas concordadas. O Governo Chinês, por iniciativa própria, anunciou uma série de medidas importantes para impulsionar a cooperação económica e comercial com os PLP sob os princípios de realidade, efectividade, afinidade e sinceridade e o correcto conceito sobre a justiça e interesse, e envidou esforços para a sua implementação. No âmbito do Fórum de Macau, a China fornece aos países lusófonos da Ásia e da África assistências dentro do seu alcance, incluindo financiamentos para os projectos essenciais do desenvolvimento, o envio de equipas médicas com mais de 400 pessoas, fornecimento acumulado de mais de 4000 vagas de bolsas de estudos na China para os estudantes dos PLP. Como a sede do secretariado do Fórum, a Região Autónoma Especial de Macau(RAEM) tem promovendo progressivamente a construção das plataformas de informações, exposições, convenções e logística, aproveitando suas próprias vantagens. O Centro de Formação do Fórum de Macau organizou no total de 38 colóquios, formando cerca de 1000 quadros, que contribuíram à dinamização da cooperação empresarial e ao intercâmbio pessoal.

Angola é um membro importante dos PLP. Nos 15 anos após a fundação do Fórum de Macau, as relacões bilaterais da China e Angola desenvolvem-se de forma acelerada e obtêm resultados abundantes nas áreas de infra-estrutura, finanças, agricultura, indústria, saúde, educação e capacitação de quadro. Em 2017, o volume comercial entre a China e Angola atingiu 22.3 mil milhões USD, crescendo em 43% e se destacou nos PLP e nos países africanos. A China vem oferecendo apoio financeiro à construção nacional de angola, tem fornecido a Angola 2500 vagas de capacitação de quadros e 300 vagas de bolsa de estudo, bem como o envio de quatro equipas médicas para Angola a fornecer serviços sanitários grátis, que atendeu já 200 mil pessoas. Com o estabelecimento da parceria estratégia, a China e Angola estão a envidar esforços na transformação do modelo e melhoria da qualidade da sua cooperação, bem como na expansão das relações bilaterais para domínios mais amplos e nível mais alto.

Situando-se no novo ponto de partida histórico, a China está disposta a trabalhar, de mãos dadas com todos os países de PLP, para aperfeiçoar o mecanismo de Macau e promover o aprofundamento da cooperação entre a China e os PLP utilizando a Plataforma de Macau:

Primeiro: Criar um novo modelo de cooperação internacional do Fórum de Macau sob a iniciativa Cinturão e Rota. Em 2013, o Presidente Chinês Xi Jinping anunciou a iniciativa Cinturão e Rota, tendo mais de 80 países e organizações internacionais assinados acordos de cooperação com a China. A China e os respectivos países afinam políticas, inter-conectam planos de desenvolvimento, implementam projectos de ligação e conexão de infra-estrutura, promovem a facilitação de comércio e investimento, constroem redes de cooperação financeira, promovem a união dos povos e constroem uma vasta plataforma de cooperação para a globalização económica. Com isso, a cooperação entre a China e os PLP inaugura uma oportunidade valiosa.

Segundo:Acelerar o desenvolvimento integrado e construir uma comunidade de destino comum entre a China e os PLP. Os PLP’s dispõem seus vantagens e encontram-se em fases de desenvolvimento diferente, no entanto mostram numa forte complementaridade de vantagens com a China em vários aspectos. A China considera que os países participantes podem incrementar ainda mais a cooperação no âmbito do Fórum, promovendo a sua dimensão de cooperação, alargando os campos de interesse comum e construindo em conjunto uma “comunidade de destino comum” entre a China e os PLP.

Terceiro: Promover ainda mais a construção da plataforma de Macau. Ao longo dos anos, o Governo da RAEM está empenhada na construção da Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os PLP, que foi atribuído grande importância pelo Governo Central da China. A China espero que os países participantes possam aproveitar plenamente as singularidades da cultura, jurídica, convenções e exposições e sector financeiro de Macau, permitindo que este território ofereça mais facilitações à cooperação entre a China e os PLP.

“Se quiseres ir longe, avancem em conjunto”. Os esforços do Fórum Macau nos últimos 15 anos provaram que a China está disposta a partilhar oportunidades de desenvolvimento com os PLP’s e concretizar benefícios mútuos. O Presidente Chinês, Xi Jinping, sublinhou que a China está determinada com a política de abertura ao exterior. As novas iniciativas como a “Exposição Internacional de Importações da China”, a Zona-Piloto de Comércio Livre e a exploração da construção de portos de comércio livre com características chinesas resultam deste solene compromisso. A reforma e abertura da China já está num novo ponto de partida na nova conjuntura histórica. Acreditamos que a cooperação entre a China e os PLP irá entrar também numa nova etapa de desenvolvimento destacada pela qualidade e eficácia, e temos igual confiança no futuro da cooperção entre a China e os PLP e do Fórum de Macau.

Suggest to a friend
  Print
©2009 Embaixada da República Popular da China Todos os Direitos Reservados